Tipos de ambulância: conheça os 6 tipos de acordo com a lei

Uma só ambulância faz vários atendimentos em um único dia. Sendo assim, é de se esperar que toda a frota esteja muito bem equipada para lidar com esse tipo de situação, não é verdade? No entanto, o assunto se torna ainda mais complicado quando se fala das variáveis.

Ou seja, os diferentes tipos de atendimentos que são feitos em um só dia. Com isso, estamos querendo dizer que a ambulância pode atender desde um paciente que foi vítima de um assalto e, por isso, foi ferida com uma bala até um que teve uma parada cardíaca.

Então, nesses casos, quais são os medicamentos mais utilizados na ambulância? Será que é reunido um kit a cada chamado, ou já é algo pré-definido?

É normal que você tenha esse tipo de dúvida, afinal de contas, se for parar para pensar, é um assunto um tanto quanto complexo.

E isso acontece porque a equipe médica nunca sabe quais serão os chamados do dia. É praticamente impossível prever qual tipo de atendimento a vítima vai precisar. É claro que poderia ser mais assertivo saber do que se trata a ocorrência e, em visto disso, abastecer a ambulância com os medicamentos mais eficientes.

Mas será que isso seria viável? Muitas das vezes esse tipo de chamado é emergencial. Ou seja, não há tempo para separar os remédios. Se é uma situação de vida ou morte, por exemplo, o ideal é que a ambulância se dirija até o local o quanto antes, para garantir o direito de vida da vítima.

Então, não tem como separar um kit específico para cada ocasião. É preciso já ter um kit pensado em tudo o que pode acontecer durante o atendimento. Nos próximos tópicos, iremos falar com mais detalhe sobre esse assunto. Confira!

Rotina de uma empresa de ambulância

Antes de falarmos sobre os medicamentos mais utilizados na ambulância, é interessante saber como é a rotina de uma empresa desse tipo. Trata-se de um serviço emergencial e, portanto, é 24h por dia, durante os 7 dias da semana.

Por isso, é essencial que se tenha uma ótima organização, até mesmo para garantir um atendimento rápido e eficiente. É claro que não tem como esperar algum chamado para, então, colocar dentro da ambulância as medicações mais usadas. Isso é inviável.

Até mesmo porque, se o paciente está com um quadro clínico mais instável e correndo risco de vida, o atendimento deve ser feito o quanto antes. Sendo assim, não há tempo a perder. O socorro deve vir o mais rápido possível.

No entanto, nada impede que o serviço de remoção médica tenha uma categoria. Ou seja, ter uma frota específica para cada tipo de atendimento que será feito. Se uma pessoa corre risco de vida, é bem provável que ela vá usar medicações que uma pessoa com um quadro clínico estável não vai.

Por isso, é muito mais fácil ter esse planejamento de ter frotas específicas para cada tipo de atendimento, ou seja, do nível de gravidade. Então, para que você entenda melhor sobre os medicamentos mais utilizados na ambulância, falaremos sobre esse assunto no próximo tópico.

Tipos de ambulâncias e medicamentos

A portaria 2048/02 classifica as ambulâncias de A a F. Cada uma delas deve possuir equipamentos, tripulação e medicações necessárias. Por isso, para saber quais são os medicamentos mais utilizados na ambulância, esse assunto é de extrema relevância. Confira!

Ambulância Tipo A

Esse é o tipo de ambulância indicada para fazer o transporte de um paciente deitado na horizontal cujo quadro de saúde é mais estável. Ou seja, é aquele que não apresenta qualquer risco de vida iminente. Trata-se de um serviço de remoção mais simples.

Nesse caso, é preciso ter 2 profissionais dentro do veículo, sendo um técnico ou auxiliar de enfermagem e o motorista. Em relação aos equipamentos e medicações, destaca-se: maca com rodas, sinalizador óptico e acústico, suporte para o soro e oxigênio medicinal.

Ambulância Tipo B

Esse é o tipo de suporte básico, ou seja, é aquele que mesmo precisando de urgência, não há necessidade de que algum médico intervenha no local ou durante o translado até o hospital ou clínica, por exemplo.

Nesse caso, além de necessitar de um técnico ou auxiliar de enfermagem e um motorista, os equipamentos e medicações devem ser: maleta de urgência, frascos de soro fisiológico, maleta de parto, aventais, suporte para soro, óculos e medicações de acordo com o protocolo.

Ambulância Tipo C

Esse é o tipo de ambulância para resgate, ou seja, quando há urgências pré-hospitalares de vítimas de acidentes ou pacientes que se encontram em um local de difícil acesso. Portanto, nessa categoria, encaixam-se os veículos terrestres, aquáticos e aéreos.

Nesse caso, a equipe deve possuir três profissionais militares, um motorista e outros dois com capacitação em salvar e dar suporte básico à vida. Além do mais, veículos tipos C devem ter um compartimento onde possa guardar as medicações.

Ambulância Tipo D

Esse é o serviço de transporte avançado. Ou seja, indica-se esse tipo para atender pacientes que correm alto risco de vida e que, portanto, precisam de cuidados médicos mais intensos. Por isso, esse tipo de ambulância deve ter: bisturi, material para punção, seringas, cateteres, cortadores de soro e outros.

Por se tratar de algo mais sério, a equipe deve ser formada, no mínimo, por 3 profissionais, sendo eles: um médico, um enfermeiro e um motorista. No entanto, a depender da empresa ou do grau observado de risco, pode acontecer de mais de um profissional ir até o local

Ambulância Tipo E

Dentro do tipo E, se enquadra a aeronave de transporte médico. Contudo, deve ser uma aeronave de asa fixa ou rotativa, já que são melhores em caso de transporte entre hospitais de pacientes. As aeronaves de asa rotativa são mais utilizadas para ações de resgate.

Esse tipo se enquadra em atendimento de suporte avançado de vida e, por isso, a equipe deve ser composta por um médico, um enfermeiro e um piloto. Contudo, caso deva ser feito algum procedimento de salvamento, um profissional capacitado deve acompanhar.

AmbulânciaTipo F

A ambulância tipo F diz respeito a embarcações de transporte médico. Ou seja, é quando há um veículo aquaviário atribuído ao transporte por vias marítimas ou fluviais. Além do mais, esse tipo de ambulância deve ter equipamentos médicos de acordo com a necessidade do paciente e da gravidade.

Fora isso, a equipe presente no veículo deve ser composta por:

  • 2 tripulantes: quando existe a necessidade apenas de suporte básico de vida, onde deve ser um técnico de enfermagem e 1 condutor;
  • 3 tripulantes: quando há uma necessidade de um suporte avançado. Nesse caso, deve ser 1 condutor, 1 enfermeiro e 1 médico.

Conclusão

Como você pôde notar, trata-se de um assunto um tanto quanto extenso, mas muito bem organizado. Cada tipo de ambulância precisa ter os seus próprios medicamentos, pois isso irá facilitar muito na hora de fazer qualquer tipo de atendimento.

Afinal de contas, uma pessoa que teve um acidente mais simples, por exemplo, não vai precisar dos mesmos medicamentos que uma pessoa que está correndo risco de vida. Sendo assim, essa diferenciação por tipos de ambulância, além de necessária, facilita muito a logística de uma empresa.

Por isso, as empresas que possuem uma certa experiência no mercado, como a Brasil Emergência Médicas, utilizam esse tipo de serviço, até para garantir um atendimento mais específico e ágil aos pacientes.

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.